UNI7 - Treinadores
APP - F7B
Passaporte carimbado

Ide Veber relembra início no futebol 7 e sua viagem ao Peru para a disputa da Copa América 2017

“É impressionante o que o futebol 7 proporciona”, diz o atleta.

Passaporte Carimbado

Passaporte CarimbadoO blog apresenta conteúdo especial com relatos de atletas brasileiros 7 que atuaram no exterior

24/08/2020 17h39
Por: Assessoria de Imprensa 2
Ide defendendo a Seleção Brasileira na Copa América 2017 (Guilherme Becker)
Ide defendendo a Seleção Brasileira na Copa América 2017 (Guilherme Becker)

Nesta edição do Passaporte Carimbado conversamos com Ide Veber, atleta do Atlético Fut7. Eleito melhor jogador do estado do Paraná em 2015 e artilheiro da Liga das Américas 2017, Ide contou sobre seu início no futebol 7 e sobre suas experiências com a modalidade fora do Brasil.

Em 2013, por alguns problemas e talvez um pouco de falta de sorte, saí do futebol de campo profissional e entrei em depressão. Foi um momento bem delicado. Um dia vendo TV, me deparo com um jogo de futebol 7 do Atlético. Nossa, foi uma surpresa, ainda mais por conhecer o Thomas Belizário, um dos maiores nomes do futebol 7 mundial. Na hora enviei uma mensagem para ele: “que jogo é esse e como faço para jogar? ”. Alguns dias depois recebo uma mensagem do Hugo, na época gestor/atleta do Atlético, informando dia e horário do meu primeiro treino. Fui muito bem recebido por todos, em especial pelo Hugo, Thomas e Mário Pinduca. Então, em meados de 2014 iniciei no esporte e no Atlético. Por toda essa história, minhas inspirações sempre foram esses três, principalmente como atletas e como pessoas”.

Ide também falou sobre a experiência de viajar para fora do país. O jogador representou a Seleção Brasileira na Copa América 2017, em Lima, no Peru. Além disso, o atleta foi artilheiro da Liga das Américas daquele ano, em Buenos Aires, na Argentina.

“O que sempre digo é que se não fosse o futebol 7 acho que nunca viajaria para esses lugares. Conheci por enquanto Peru e Argentina e, realmente, foram experiências que marcaram minha vida. Culturas diferentes, culinária, até o calor e o frio são diferentes. Enfim são momentos que devo totalmente ao futebol 7 e sou muito grato por isso. No início de 2017 recebi minha primeira convocação para Seleção Brasileira. Fiquei famoso na família e amigos, até autógrafo dei.

A emoção de cantar o hino pela primeira vez é indescritível. Passa tudo pela cabeça: todo caminho que percorri, os dias em que deixei a família em casa para ir jogar, os treinos às 11h30 da noite, as contusões que pouca gente sabe. Um orgulho, uma honra e uma alegria que poucas vezes tive na vida. Saber que estou representando um país é realmente sensacional.

Na metade de 2017 fomos para Argentina, para a Liga das Américas, e eu fui artilheiro da competição pelo Atlético F7. Outro momento único. No final do ano, mais uma surpresa, minha segunda convocação. Minha família toda na arquibancada também é um momento que tenho enquadrado na parede de casa e para fechar, com título e gol na final”, contou.

Ide ainda relembrou um dos seus melhores momentos com a camisa do Atlético, mas esse em solo brasileiro. A grande campanha da equipe no estadual de 2015 e a premiação de melhor jogador do estado naquele ano.

“Em 2015 fomos campeões paranaense de forma invicta. Fui artilheiro, melhor jogador, melhor meio campo e líder em assistência da equipe. Eu ainda nem acredito que foi tudo isso. No final desse mesmo ano houve um evento de premiação dos melhores do ano, o Super7. Pela primeira vez na minha vida minha mãe estava presente para me ver receber uma premiação. Quando fui eleito o melhor do estado o sorriso dela e da minha esposa, o orgulho era visível... não tem preço que pague. Um dos dias mais felizes da minha vida.

São tantas histórias. É impressionante o que o futebol 7 proporciona. Em 2019 tive a notícia que com certeza superou todas as alegrias que eu poderia imaginar: eu seria pai. Me dediquei totalmente à família nesse período, mas agora estou pronto para voltar e voltar forte, agora tenho mais um garotão para me assistir na arquibancada e prometi para ele que seria com a amarelinha novamente”, finaliza.